Existem diversos fatores que aumentam o nosso risco de ter osteoporose. Apesar de haver vários novos medicamentos no mercado, do aumento da suplementação de cálcio e da prática de exercícios físicos, a osteoporose ainda está aumentando. Isso nos leva a crer que, fora desses métodos de tratamento padrão, existe um elo perdido quando se trata da nossa compreensão e tratamento da osteoporose. Quais são as melhores maneiras de preveni-la e tratá-la?

O que é a osteoporose?

A osteoporose é a condição de esgotamento dos ossos, perda de massa óssea e fragilidade do osso, que provoca a diminuição da absorção de minerais e de cálcio. É uma doença crescente em nossa sociedade moderna, principalmente nas mulheres. Estudos norte-americanos apontam que um terço de todas as mulheres americanas desenvolverá osteoporose em suas vidas.

A fragilidade dos ossos nas mulheres é ocasionada pela ausência do hormônio feminino, o estrogênio, depois da menopausa, tornando-os porosos e delicados. É a maior causa de fraturas e quedas em idosas.

Existem muitos fatores que aumentam a chance da osteoporose aparecer:

  • Ser uma mulher aumenta suas chances;
  • Ser muito magro ou ter estrutura óssea fina;
  • Ter uma história familiar de osteoporose;
  • Histórico de transtorno alimentar;
  • Se está na pós-menopausa;
  • Se tem uma dieta com baixo teor de cálcio;
  • Se seu estilo de vida é sedentário;
  • Se é fumante ou faz uso frequente de bebidas alcoólicas;
  • Se tem histórico de uso de medicamentos, especialmente esteróides, por longos períodos de tempo.

Todos estes fatores listados acima podem aumentar o seu risco de osteoporose. Parte do problema pode ser a nossa compreensão da osteoporose e da saúde óssea em geral. Embora nossos ossos sejam certamente os componentes mais densos e estruturados de nossos corpos, eles não são imutáveis ou estáticos. Nossos ossos são compostos de tecidos vivos e estão sempre mudando e regenerando diariamente, bem como ao longo de nossas vidas.

Dos 30 aos 40 anos, podemos começar a experimentar mudanças em nossas reservas de minerais ósseos. Enquanto nossos ossos estão sempre regenerando, eles são influenciados por uma multiplicidade de fatores.

Cálcio, o mineral que relacionamos com a força óssea, é o mais abundante mineral presente nos ossos, funcionando sinergicamente com outras vitaminas e minerais, colágeno e proteínas para formar e manter os nossos ossos saudáveis e fortes.

Como diz o Dr. Alan R. Gaby, autor do livro “Prevenção e Invasão da Osteoporose”, a saúde dos nossos ossos se estende muito além dos seus componentes básicos. Está determinado não apenas pelo que comemos, mas pelo que assimilamos, metabolizamos e mantemos. Deve-se a ele muitos dos principais problemas com a osteoporose e outras doenças degenerativas de hoje como fator de deficiências nutricionais, toxinas ambientais e desequilíbrios hormonais.

A “cura”, pode não ser uma pílula, terapia de estrogênio, exercício ou cálcio, mas uma combinação de muitos fatores de estilo de vida e dieta.

Então o que nós podemos fazer?

Aqui estão 5 maneiras de prevenir e ajudar a tratar a osteoporose naturalmente:

  1. Dieta e atenção ao consumo de ômega 3

Em geral, uma dieta ácida irá extrair minerais do corpo e dos ossos. Álcool, tabagismo, bebidas açucaradas e doces, alimentos processados, alto teor de sódio, cafeína e proteínas animais produzem subprodutos ácidos, aumentando a inflamação e potencialmente diminuindo os minerais dos ossos ao longo do tempo.

Além de remover ou reduzir esses fatores ácidos, não deve ser surpreendente que uma dieta anti-inflamatória, nutritiva e alcalinizante seja necessária para fornecer vitaminas e minerais essenciais para reabastecer os nutrientes ósseos.

Formas biodisponíveis de cálcio podem ser consumidos a partir de produtos lácteos probióticos, como kefirs, iogurtes e queijos crus, ricos em cálcio, magnésio e vitamina K – que ajuda a atrair cálcio para o osso – e vitamina D.

Peixes gordurosos de mares gelados como o salmão, atum, anchova, sardinha e arenque e óleos de peixe, ricos em ômega 3 do tipo EPA, que é anti-inflamatório, também são excelentes alimentos para quem quer prevenir e tratar a osteoporose.

Algas Marinhas, ricas em ômega 3, também são uma boa opção, especialmente para quem busca uma forma mais sustentável de fazer o consumo desse tipo de gordura benéfica.

Pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, depois de analisarem diversos trabalhos científicos realizados em todo o mundo, os quais investigaram o consumo de ômega 3 e o seu impacto sobre o esqueleto, chegaram à seguinte conclusão: sim, as gorduras ômega 3 fazem bem para os ossos.

Ômega 3 e osteoporose:

Nosso esqueleto possui células chamadas osteoblastos, que produzem e depositam material ósseo, e possui também os osteoclastos, que são células que reabsorvem as células ósseas mais antigas, retirando-as dos ossos. Os sinais inflamatórios indicam a essas células de remoção óssea que é hora de começar a trabalhar.

Na osteoporose, aumenta a atividade dos osteoclastos e a atividade dos osteoblastos é ineficiente, esse desequilíbrio resulta em milhões de microburacos nos ossos.

O ômega 3 rico em EPA tem a capacidade de atuar como um redutor dos processos inflamatórios, e assim, inibir a atividade dos osteoclastos, restaurando o equilíbrio e desempenhando o potencial para reduzir o avanço da osteoporose.

  1. Terapia hormonal

Para as mulheres, existe um componente hormonal profundamente enraizado à questão da osteoporose. A medida que amadurecemos, temos filhos e idade mais avançada, nossos corpos passam por diferentes mudanças hormonais. As flutuações do estrogênio afetam a quantidade de cálcio depositado e retirado do osso. Embora as terapias de estrogênio ajudem a atrasar a osteoporose, pelo menos a curto prazo, elas não irão revertê-la, e essas terapias também não estão livres de efeitos colaterais, principalmente câncer de endométrio, vesícula biliar, doença hepática, câncer de mama e ovário. Em contrapartida, é a terapia com progesterona que se mostra uma promessa em estudos clínicos para ajudar a reverter os sinais de osteoporose.

Outra suplementação promissora é o uso de DHEA.

A desidroepiandrosterona, deidroepiandrosterona, prasterona 4 (ou DHEA, do inglês dehydroepiandrosterone) é um hormônio produzido pelas glândulas adrenais do seu corpo. À medida que envelhecemos, nossos níveis de DHEA diminuem. Além do suporte imune e adrenal, benefícios antienvelhecimento e energia, foi usado com segurança para reverter a perda óssea.

  1. Vitamina D

A vitamina D desempenha um papel essencial no metabolismo do cálcio e, portanto, é um nutriente necessário para a saúde óssea. Pode ser sintetizado pelo corpo através da exposição ao sol, embora a conversão da vitamina D dependa da estação e da hora do dia, bem como do tempo de exposição. Além disso, à medida que envelhecemos, nossa capacidade de sintetizar a vitamina D na pele também diminui, portanto, é essencial suplementar através da dieta com alimentos como peixes de água fria e salgada como o salmão selvagem, atum sardinha e arenque;, óleos de peixe ou gemas de ovos, ou com suplementos vitamínicos.

  1. Exercício

Embora possa parecer um pouco básico, a atividade física, a aptidão aeróbica e o treinamento de força estão todos conectados com a densidade óssea. O exercício físico regular, especialmente a resistência e as atividades de maior impacto, contribuem para uma maior massa óssea e risco de fratura reduzido em idosos. Além disso, idosos que mantiveram um regime físico ao longo da vida também mostram menos perda óssea.

  1. Toxinas

Os minerais tóxicos, ácidos, chumbo, cádmio e alumínio afetam negativamente o corpo com toxinas, influenciando os hormônios e perturbando o equilíbrio. Remova todas as fontes potenciais dessas toxinas, como água, alimentos com origem duvidosa, utensílios de cozinha, recipientes e até roupas e móveis.
É importante se atentar ao escolher um suplemento de ômega 3, pois existem disponíveis no mercado muitos produtos de baixíssima concentração, baixa qualidade e não isentos de metais tóxicos.
Busque sempre por uma empresa idônea, que garanta a procedência do suplemento, observando se está claro na embalagem ser isento de metais tóxicos e com alta concentração de ômega 3. Busque o melhor para sua saúde!

Estas cinco medidas são as mais importantes a serem tomadas para uma vida mais saudável e longe da osteoporose, mas você deve adotar, de modo geral, um estilo de vida que seja benéfico para a saúde como um todo, fazer a gestão do estresse, buscar não acumular muitas preocupações e fazer escolhas do bem.

Se você gostou desse post e acredita que ele possa ajudar outras pessoas a evitarem a osteoporose, então compartilhe em suas redes sociais! Afinal, informação é vital 🙂

Um abraço e até a próxima!

Fonte: http://www.foodmatters.com