Fonte: mdemulher.abril.com.br

1 – Faz o intestino funcionar

O consumo diário de fibras é indispensável ao bom funcionamento do intestino. O grupo das insolúveis, que equivalem a dois terços do teor de fibras da linhaça, facilitam o trabalho mecânico. Representadas pela celulose, pelas ligninas e pelas hemiceluloses, elas retêm líquidos e aumentam o volume e o peso do bolo fecal, estimulando a mobilidade do intestino. Ou seja, mais preenchido, com suas paredes pressionadas por esse bolo fecal volumoso, ele se movimenta mais e melhor.

Já as fibras solúveis atuam ali de outra maneira: em contato com a água, formam um gel lubrificante que é incorporado às fezes e facilita sua eliminação. Elas ainda sofrem a ação de bactérias fermentadoras que habitam o ambiente intestinal. Desse processo, formam-se compostos como os gases dióxido de carbono, hidrogênio e metano, que também impulsionam a eliminação do bolo fecal.

2 – Deixa a pele saudável

Sim, esse é mais um benefício da linhaça. Mais especificamente do óleo extraído dela – rico emômega-3 e ômega-6, ácidos graxos necessários à formação das membranas celulares.
3 – Afasta o diabetes

Fibras
Entre os nutrientes que dão aquela força para evitar os picos de glicose – fator de risco para odiabetes -, merecem destaque as fibras solúveis e insolúveis. E, como já mencionamos, essas substâncias tornam o processo digestivo mais lento. Para quem enfrenta o diabetes, a lentidão é uma enorme vantagem porque diminuir a velocidade com que o açúcar será liberado na circulação faz uma tremenda diferença.

Ômega-3
Esse ácido graxo tem sido associado à melhora da resistência à insulina, que caracteriza o diabetes. Um dos mecanismos por trás desse benefício seria provocar o aumento das concentrações de outro hormônio, chamado adiponectina. Quanto maiores as concentrações dessa substância, maior é a sensibilidade à insulina do indivíduo. Ou seja, em tese, ele precisa de menos insulina para realizar a tarefa de colocar determinada quantidade de glicose para dentro das células.

Lignanas
No caso desses compostos fenólicos encontrados na linhaça – substâncias com potente ação antioxidante -, a proteção está relacionada ao bloqueio de processos inflamatórios, que também têm sua parcela de culpa no desenvolvimento do diabetes.

Minerais
Nesse quesito, vamos destacar três componentes da linhaça:

· Cobre: Os radicais livres, aquelas moléculas que degradam as células do organismo, são coadjuvantes no desenvolvimento de toda sorte de doenças, como o diabetes. Para combatê-los, nosso corpo conta com enzimas antioxidantes como a superóxido dismutase, que depende do cobre para agir.

· Zinco: A deficiência desse micronutriente está associada à menor secreção de insulina pelo pâncreas e ao comprometimento da ação desse hormônio. Além disso, semelhante ao cobre, o zinco é também necessário para a atividade da enzima superóxido dismutase, que combate os radicais livres.

· Magnésio: Esse é um dos minerais que aumenta a atividade do receptor de insulina nas células.

4 – Protege o coração

Fibras
Dentro do intestino, as fibras solúveis da linhaça capturam os ácidos biliares, diminuindo suas concentrações. Isso gera um sinal de alerta para o organismo, que mobiliza colesterol para sintetizar mais desses ácidos biliares – pois, sem eles, não será possível digerir a gordura dos alimentos. Assim, o fígado precisará retirar mais colesterol da circulação, mantendo o sangue, digamos, mais magro.

Lignanas
Outra explicação para o efeito da linhaça na redução do colesterol diz respeito às tais lignanas. Graças ao efeito antioxidante dessas substâncias, elas impedem a oxidação da molécula LDL e ajudam a amenizar a inflamação e, com isso, a formação de placas de gordura nos vasos.

Ômega-3
Quem completa o trio protetor é o ômega-3, com a vantagem de diminuir a agregação das plaquetas, que formam coágulos, e evitar a redução do diâmetro dos vasos – que leva à pressão alta.

5 – Previne o câncer de mama

Em relação à prevenção de tumores, estudos indicam que a semente do linho atua, principalmente, contra o câncer de mama. Não existem conclusões definitivas, mas especula-se o benefício esteja ligado, de novo, às lignanas. É que, devido à sua ação antioxidante, elas provocariam a apoptose das células tumorais, ou seja, estimulariam a morte dessas células doentes.

6 – Alivia os sintomas da menopausa

As estrelas aqui são elas novamente: as lignanas. É que, no corpo, essas moléculas agem de modo semelhante ao estrogênio, hormônio que sofre uma queda no período da menopausa. As mulheres japonesas são um bom exemplo de que as substâncias abundantes na linhaça influenciam positivamente no controle dos sintomas do climatério. Elas consomem, diariamente, entre 20 e 150 miligramas de fitoestrógenos (grupo do qual as lignanas fazem parte) e se queixam muito menos das ondas de calor do que as ocidentais, que ingerem quantidades bem menores.