Se você chegou neste post, provavelmente já ouviu falar sobre o óleo de semente de abóbora, não é mesmo? 

Agora, talvez você não saiba da quantidade de benefícios que ele pode trazer para sua saúde quando incluído na sua alimentação! 

As sementes de abóbora são populares há séculos. Por volta do ano 1300 os nativos americanos já conheciam seus benefícios alimentares e medicinais. Depois dos astecas e de outros povos da América do Sul, estas sementes começaram a ser consumidas pela Europa e se tornaram parte integrante da dieta de muitas áreas da Europa Oriental e do Mediterrâneo (principalmente a Grécia). 

Hoje em dia, o uso do óleo da semente de abóbora prensado a frio está se popularizando por conter inúmeros benefícios para a saúde, tanto de homens quanto de mulheres, vamos conferir quais são eles?


1 – Pode ajudar na redução do colesterol

O óleo de semente de abóbora contém fitoesteróis, que são estruturalmente semelhantes ao colesterol do corpo. Os fitoesteróis competem com o colesterol pela absorção no sistema digestivo, que pode bloquear a absorção e diminuir os níveis de colesterol ruim, de acordo com estudo da Clínica Cleveland.

2 – Perda de cabelo

Um estudo descobriu que, quando os homens tomaram 400 miligramas de óleo de semente de abóbora por dia (em forma de cápsula) por 24 semanas, eles puderam observar um aumento no crescimento do cabelo.

Aqueles que tomaram óleo de semente de abóbora viram um aumento de 40% na contagem de cabelos, enquanto os homens que tomaram um placebo viram um aumento de 10% na contagem de cabelos.

Embora este estudo tenha sido financiado por uma empresa privada, os autores do estudo não relataram conflitos de interesse.

oleo-de-semente-de-abobora-por-que-incluir-na-alimentacao

3 – Alívio dos sintomas da menopausa

Um estudo piloto realizado em 35 mulheres na menopausa descobriu que aquelas que ingeriram óleo de semente de abóbora experimentaram aumentos no colesterol HDL (colesterol bom), uma diminuição da pressão arterial diastólica e menos sintomas da menopausa, como ondas de calor, dores de cabeça e dores nas articulações. 

4 – Saúde do trato urinário

Pesquisas associam o óleo de semente de abóbora à saúde da próstata e ao alívio da bexiga hiperativa.

Um estudo publicado no Diário de Medicina Complementar e Alternativa descobriu que, quando os participantes consumiram óleo de semente de abóbora por 12 semanas, tiveram um alívio dos sintomas da bexiga hiperativa.

5 Ajuda na nutrição de pacientes com câncer

Embora não exista uma cura para o câncer, o óleo de semente de abóbora prensado a frio pode ser usado como coadjuvante no tratamento desta doença.

Pesquisas do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Rostock, na Alemanha, descobriram que as sementes de abóbora têm um ótimo valor nutricional para pacientes com câncer de mama.

Além disso, um estudo publicado no “Indian Journal of Biochemistry & Biophysics” revela que as propriedades antioxidantes do óleo de semente de abóbora prensado a frio ajudam a criar um filtro para a radiação usada no tratamento de vários tipos de câncer.  

pumpkin-seed-oil-7-oils-for-your-family-by-healthista

6 – Ajuda a gerenciar a diabetes

A diabetes tem muitas causas e uma delas é uma dieta pobre. Tanto o diabetes tipo 1 quanto o 2 são gerenciáveis através de uma alimentação saudável e suplementos alimentares. Pesquisas da Universidade de Nottingham (Reino Unido), mostraram que o óleo de sementes não germinadas e a proteína de sementes germinadas de abóbora podem ajudar a reduzir o açúcar no sangue. Isso torna o óleo de sementes de abóbora prensado a frio um bom complemento para qualquer plano de dieta diabética.

Além de possuir muitos benefícios para a saúde, o óleo de semente de abóbora prensado a frio ainda é muito saboroso, podendo ser utilizado para dar um gostinho especial aos alimentos!

Gostou dessas dicas? Compartilhe com seus amigos, compartilhar saúde é Vital! 

Referências
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23859042
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26976217
https://www.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/jmf.2006.9.284
https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/1043661895800514
https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.3109/13697137.2011.563882?journalCode=icmt20
https://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/jf0706979