Os nomes são um pouco estranhos, difíceis de pronunciar e provavelmente você nunca ouvir falar deles. O curioso é que você até pode estar se beneficiando da luteína e da zeaxantina sem saber.

 

Mas afinal, o que são eles?

A luteína e a zeaxantina são dois importantes carotenoides, pigmentos produzidos por plantas que dão uma coloração amarela e avermelhada às frutas e vegetais.  De acordo com pesquisadores italianos, eles são estruturalmente muito semelhantes, com apenas uma pequena diferença no arranjo de seus átomos. Mas ambos são potentes antioxidantes e oferecem inúmeros benefícios para a saúde, principalmente a dos olhos.

 

Mas como?

 

A luteína e zeaxantina são poderosos antioxidantes que defendem seu corpo contra moléculas instáveis chamadas radicais livres. 

 

Estudos já comprovaram que, em excesso, os radicais livres podem danificar as células, contribuir para o envelhecimento e levar à progressão de doenças oculares, cardíacas, câncer, diabetes tipo 2 e doença de Alzheimer.

 

Nesse contexto, a luteína e a zeaxantina protegem as proteínas, gorduras e o DNA de estressores do seu corpo e podem até mesmo ajudar a reciclar a glutationa, outro antioxidante essencial do organismo.

 

A luteína e a zeaxantina funcionam para proteger os olhos dos danos provocados pelos radicais livres da seguinte forma: seus olhos estão expostos ao oxigênio e à luz, que por sua vez promovem a produção de radicais livres prejudiciais. Essas substâncias anulam estes radicais livres, impedindo que eles danifiquem as células dos seus olhos. Essa é a conclusão de um estudo do Departamento de Oftalmologia da Universidade da Flórida (EUA).

luteina-e-zeaxantina-conheca-os-amigos-da-sua-saude-ocular2

Além disso, de acordo com estudos da Universidade de Connecticut (EUA), suas propriedades antioxidantes podem reduzir os efeitos do colesterol LDL “ruim”, diminuindo o acúmulo de placa nas artérias.  

 

Saiba mais:

– A luteína e a zeaxantina são os únicos carotenoides obtidos a partir de uma dieta que se acumulam na retina, particularmente na região da mácula, localizada na parte posterior do olho;

– De acordo com pesquisadores da Universidade de Sydney, Austrália, como são encontrados em quantidades concentradas na mácula, eles são conhecidos como pigmentos maculares.  

– A luteína e a zeaxantina também atuam como um bloqueador solar natural ao absorver o excesso de energia luminosa. Pesquisadores da Universidade de Nova Iorque (EUA), acreditam que elas protejam olhos principalmente do espectro azul da luz.

 

Veja como a luteína e a zeaxantina podem ajudar a combater doenças oculares

 

 

– Degeneração macular relacionada à idade (DMRI): Segundo pesquisadores da Universidade de Pequim, China, o consumo de luteína e zeaxantina pode proteger contra a progressão da DMRI à cegueira;

– Cataratas: as cataratas são causadas pela opacificação da lente natural do olho, o cristalino. De acordo com estudos da Universidade de Melbourne, Austrália, ingerir alimentos ricos em luteína e zeaxantina pode retardar sua formação;

– Retinopatia diabética: Nos estudos sobre o diabetes feitos em animais, a suplementação com luteína e zeaxantina demonstrou reduzir o estresse oxidativo que danifica os olhos;

 – Uveíte:  estudos revelaram que a luteína e a zeaxantina podem ajudar a reduzir o processo inflamatório envolvido nessa doença que atinge a úvea (camada média do olho).

 

Mas como obter a luteína e a zeaxantina?

luteina-e-zeaxantina-conheca-os-amigos-da-sua-saude-ocular

Esses carotenoides podem ser encontrados principalmente em vegetais de folhas verde escuras, assim como em outras frutas e vegetais mais coloridos. O repolho, agrião e espinafre são boas fontes de luteína, enquanto milho, gema de ovo e pimentão amarelo, de zeaxantina.

E em qual quantidade? 

 

Para obter os benefícios desses alimentos para a saúde ocular, seria preciso ingerir uma quantidade muito grande deles. Então uma solução viável é usar bons suplementos disponíveis no mercado.

 

Se você gostou desse conteúdo repasse-o para sua família e amigos, afinal compartilhar saúde é Vital!

 

 

Referências:
ncbi.nlm.nih.gov
foodandnutritionresearch.net
healthline.com
nutricaoempauta.com.br