Um dos alimentos mais importantes para o bom desenvolvimento cerebral é o DHA, um tipo de gordura do bem que é encontrada no ômega 3.

Você já sabe que os ômegas 3 são definidos como ácidos graxos “essenciais”, o que significa que eles são essenciais para que o seu organismo possa realizar todas as funções biológicas necessárias, certo?

Dentre os ômegas 3 existentes, há três tipos diferentes – DHA, EPA e ALA e hoje vamos falar sobre o DHA, que está mais relacionado à saúde do cérebro e de todo o sistema nervoso.

Você sabe quais são os benefícios do DHA para a sua saúde mental?


A ciência já sabe que o DHA é um alimento importantíssimo para o cérebro, olhos e coração e pode inclusive desempenhar um papel no apoio à memória e cognição! No entanto, é sabido que grande parte dos brasileiros não consome ômega 3 o suficiente, infelizmente.

Então, se você é como muitos brasileiros, talvez você possa estar recebendo pouco DHA. Isso é devido às escolhas alimentares que você faz, mesmo tentando acertar na maioria das vezes. Saiba que a fonte mais conhecida de DHA é o peixe gordo de mares gelados, como salmão selvagem, anchova, arenque, atum, cavala e sardinha, isso é devido aos alimentos que esses peixes comem em sua cadeia alimentar, que inclui microalgas – fontes naturais e ricas de DHA.

As algas também já estão sendo consumidas como fonte direta de DHA, atendendo ainda a preocupação com a sustentabilidade, uma vez que a pesca predatória está desestabilizando a cadeia alimentar e o equilíbrio ecológico.

De todas as meias verdades relatadas sobre gorduras alimentares pela imprensa não-científica, nenhuma é maior do que a noção de que o consumo reduzido de gordura é sempre bom. Isso é contrariado pelo fato de que o corpo e a mente precisam de gordura dietética em quantidades razoáveis para funcionar corretamente (sem gordura, morreríamos).

No entanto, como veremos, membros de uma certa classe de gorduras polinsaturadas, os ácidos graxos ômega 3 são essenciais a manutenção da boa saúde, têm muitos efeitos benéficos, particularmente em relação à cognição e à memória. Eles também são considerados saudáveis para o coração.

As gorduras são benéficas para a função cerebral

Sabe-se há muito tempo que nosso cérebro é composto por 60% de gordura, portanto as gorduras alimentares são benéficas para a função cerebral. O tecido cerebral é especialmente rico nesses nutrientes vitais, que ajudam a assegurar a função normal das células nervosas, e o cérebro não funciona de forma otimizada se for privado deles. Quer um exemplo científico? Quando ratos de laboratório são mantidos em dietas deficientes em ácidos graxos poliinsaturados, como o ácido docosahexaenóico (DHA), suas capacidades de aprendizagem e memória são significativamente prejudicadas.

Um estudo separado mostra que os ratos inicialmente mantidos em uma dieta deficiente em óleo de peixe têm pouca aprendizagem e habilidades de memória. Quando eles são transferidos para uma dieta suplementada com DHA, no entanto, eles demonstram melhora drástica no aprendizado e na memória.

O DHA é um dos principais ácidos gordurosos encontrados nos óleos de peixe. Esta molécula é muito importante na formação das membranas celulares das células nervosas. Quando DHA é escasso, a integridade estrutural e funcional da célula nervosa está comprometida. Assim, não é surpreendente que uma série de estudos demonstre que o DHA é necessário para o desenvolvimento normal do cérebro em seres humanos.

Em estudos com bebês, verificou-se que os recém-nascidos suplementados com DHA exibem um desenvolvimento cerebral melhorado, o que lhes permite processar informações mais rapidamente.

DHA demonstrou ser benéfico para a memória de animais mais velhos

Grande parte do trabalho com DHA até agora foi realizada em animais de laboratório e se concentrou na memória de animais mais velhos. Por exemplo, quando a dieta de ratos mais velhos é suplementada com DHA, sua memória melhora drasticamente. Após apenas quatro dias de suplementação, eles precisavam de apenas metade do tempo para encontrar o caminho para sair de um labirinto. Com base nessa e em outras informações, muitos pesquisadores acreditam que uma ampla ingestão de ácidos graxos ômega 3, como DHA, pode ser especialmente benéfica para proteger contra a disfunção cognitiva relacionada à idade em seres humanos.

DHA – Concentrações mais altas em cérebro e olhos

As membranas celulares dos neurônios no seu sistema nervoso central contêm grandes quantidades de DHA (ácido docosahexaenóico), que é um dos dois ácidos graxos ômega 3 mais importantes.

Embora cada célula em seu corpo contenha DHA, suas concentrações mais altas são encontradas em dois órgãos: cérebro e olhos (o esperma também é rico em DHA).

DHA para neurotransmissão aprimorada

No seu cérebro, o DHA é encontrado principalmente em membranas celulares “excitáveis”, ou seja, nas uniões sinápticas entre os neurônios, onde ocorre a neurotransmissão; Também é encontrado, no entanto, em células não neuronais, como a glia. Nos seus olhos, o DHA é encontrado principalmente em células epiteliais de pigmento da retina e nas células fotorreceptoras das quais a retina é composta.

DHA – O ômega 3 mais importante em seu cérebro

DHA é, quantitativamente, o ômega 3 mais importante no cérebro e, conseqüentemente, o mais estudado.

O cérebro tem uma composição única de ácidos graxos com altos níveis de palmitato (16: 0), o ácido araquidônico de PUFA ômega 6 (AA, 20: 4n-6) e DHA, mas possui baixos níveis de outros ômega 3, especialmente EPA . Na verdade, os níveis de EPA do cérebro são tipicamente 250-300 vezes menores que o DHA. Assim, o DHA é, quantitativamente, o ômega 3 mais importante no cérebro.

 Baixo nível de DHA é um fator de risco para a doença de Alzheimer

O estatuto circulante de DHA de 1.188 sujeitos americanos idosos (idade média 75) foi determinado utilizando fosfatidilcolina sérica (PC) em amostras de plasma congelado como biomarcador. Após a análise das amostras de sangue, os pesquisadores realizaram uma análise prospectiva cega dos resultados clínicos nos próximos dez anos.

Nos indivíduos que conheciam a doença de Alzheimer (DA) no momento da colheita da amostra de sangue, houve uma freqüência duas vezes maior (11 vs. 5) de DA em indivíduos da metade inferior da distribuição de DHA. Os indivíduos cujo PC-DHA sérico estava na metade inferior da distribuição, mas que não possuíam doença de Alzheimer no momento em que a amostra de sangue foi tomada, apresentaram 67% maior probabilidade de desenvolver a doença nos dez anos seguintes.

DHA pode melhorar a demência causada por acidentes vasculares cerebrais

No Japão, o acidente vascular cerebral é uma causa extremamente comum de incapacidade e morte. Pesquisadores japoneses testaram a possibilidade de que os suplementos de DHA pudessem melhorar o funcionamento mental em pacientes com demência moderadamente grave por AVC trombótico. O DHA é enriquecido nos tecidos cerebrais e desempenha um papel importante nas funções sensoriais. Ele também possui efeitos estabilizadores elétricos e é antitrombótico.

Vinte pacientes idosos do sexo masculino e feminino (idade média 83) com demência leve a moderada por acidente vascular cerebral (AVC) foram estudados. Os pacientes foram divididos em dois grupos, um dos quais recebeu DHA, enquanto o outro recebeu placebo. Todos os dias, o grupo DHA recebeu 6 cápsulas de DHA (2 cápsulas tomadas três vezes ao dia) contendo um total de 720 mg de DHA diariamente por um ano. Naqueles com demência moderadamente grave, a suplementação de DHA melhorou seus graus de demência.

O que agora sabemos sobre o papel do DHA no cérebro

Em uma revisão recente, os pesquisadores afirmam que os lipídios estão fortemente ligados à AD. Eles escrevem isso: “Foi demonstrado que o colesterol aumenta as vias amiloidogênicas e diminui as vias não amiloidogênicas, seguido de uma produção e agregação de Aβ melhorada. Foram observados efeitos opostos para o DHA, sugerindo um potencial papel benéfico para o DHA na doença de Alzheimer “.

Publicado há apenas alguns meses, uma nova revisão começa com uma visão geral da bioquímica e do metabolismo de ômega 3, com foco particular no sistema nervoso central, onde DHA possui papéis únicos e indispensáveis em membranas neuronais com níveis preservados por múltiplos mecanismos.

Com todas essas informações acerca do papel do ômega 3 em nossos sistemas biológicos e do DHA, especificamente, em relação à nossa saúde cerebral, fica cada vez mais urgente o consumo consciente das gorduras benéficas para a nossa qualidade de vida, longevidade e saúde integral.

Para saber mais sobre a importância das gorduras do bem e outros temas ligados à saúde e bem estar, continue acompanhando o nosso Blog Eu Bem Melhor, afinal, se informar é Vital 😉

Abraços e até a próxima!

Baixe gratuitamente o nosso e-book Gorduras Do Bem e saiba de que maneira as gorduras trabalham em favor da nossa saúde e qualidade de vida! >>> http://www.vitalatman.com.br/ebook-gorduras-do-bem/index.html

Referências:
Greiner RS, Moriguchi T, Hutton A, Slotnick BM, Salem N Jr. Rats with low levels of brain docosahexaenoic acid show impaired performance in olfactory-based and spatial learning tasks. Lipids. 1999;34 Suppl:S239-43.
Chung WL, Chen JJ, Su HM. Fish oil supplementation of control and (n-3) fatty acid-deficient male rats enhances reference and working memory performance and increases brain regional docosahexaenoic acid levels. J Nutr. 2008 Jun;138(6):1165-71.
Brenna JT, Carlson SE. Docosahexaenoic acid and human brain development: evidence that a dietary supply is needed for optimal development. J Hum Evol. 2014 Dec;77:99-106.
http://www.lifeextension.com/magazine/2008/1/report_dhafishoil/page-01

Como escolher um bom ômega?

A grande missão da Vital Âtman é promover a saúde

Baixe gratuitamente o e-book: Como escolher um bom ômega?

Baixe nosso E-book grátis