Alimentação x envelhecimento, qual a relação entre eles?

“Coma bastante para ficar forte e saudável’’. Você, certamente, já ouviu essa máxima em algum momento da sua vida. Pois saiba que apesar de bem intencionada, essa “dica” não é assim tão verdadeira não.  

O “New England Journal of Medicine”, a revista médica de maior circulação, publicou estudo recente que diz exatamente o contrário. 

Já na década de 1930, ficou claro que camundongos mantidos em regime de restrição calórica apresentavam maior longevidade e tinham menos doenças associadas ao envelhecimento.

Anos depois, foi realizado estudo mais detalhado com três grupos de ratos: o primeiro alimentado sem restrição de quantidade (ad libitum); o segundo, com redução de 30% no número de calorias ingeridas em relação ao anterior, e o terceiro, com um corte de 60%. 

Morreram antes os “ad libitum”, depois os que comeram 30% menos e mais tarde, ainda, o grupo com restrição de 60% (fala-se em reduzir a porção de comida, mas sem déficit de nutrientes). 

É de se espantar, não é? 

Não só a quantidade importa, mas, principalmente, a qualidade do que você ingere.

Você já parou para pensar que aquilo que você come hoje pode afetar a sua saúde lá na frente? 

E sim, é preciso pensar no futuro: segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em todo o mundo, a faixa etária dos 60 anos cresce mais do que qualquer outra.

Para o IBGE, (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a expectativa de vida do Brasileiro já passa dos 75 anos. 

E pode acreditar: uma das principais receitas para uma vida longa (e saudável) é manter uma alimentação adequada e balanceada.  

A alimentação tem tudo a ver com o surgimento (ou a prevenção) de problemas de saúde como obesidade, colesterol alto, hipertensão e diabetes, e outros tipos de distúrbios hormonais, além de melhorar a circulação, combater a depressão, a ansiedade e a insônia. 

Mas o que devo comer para me manter saudável? 

  • Invista em alimentos antioxidantes 

Se você quer prevenir o envelhecimento precoce (e envelhecer bem) coma alimentos que têm ação antioxidante.  

Eles são essenciais para a defesa das células e contribuem para a eliminação de radicais livres.

Os radicais livres podem causar doenças degenerativas e morte celular e são formados por processos metabólicos ou pela exposição a fatores ambientais, como a poluição, o álcool e o consumo excessivo de gorduras saturadas. 

Alguns alimentos antioxidantes são: 

  •  Açafrão (ou cúrcuma)
  • Aveia
  • Azeite de Oliva
  • Chá de cavalinha, centelha asiática e dente-de-leão
  • Frutas cítricas (Limão, lima-da-pérsia, laranja e goiaba contêm a poderosa vitamina C)
  • Frutas vermelhas (morango e uvas vermelhas e roxas)
  • Linhaça
  • Mamão e abacaxi
  • Melão
  • Óleo de gergelim
  • Peixes (salmão, atum, sardinha e arenque)
  • Pepino
  • Sálvia
  • Semente de abóbora
  • Suco de uva integral

Pode acrescentar à essa lista também: amêndoa, castanha-do-pará, cereais integrais, nozes e frutos secos.

  • Consuma alimentos com efeito anti-inflamatório 

Alimentos com ação anti-inflamatória, como o alho e o alecrim, diminuem alguns possíveis desequilíbrios que acontecem em nosso organismo. 

Eles ajudam a evitar o surgimento de algumas doenças crônicas como diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares.

Além do alho e do alecrim, o ômega-3 também é um anti-inflamatório com capacidade de reduzir as doenças do coração e melhorar a memória. Ele é encontrado em peixes como salmão e sardinha, e em sementes como chia e linhaça.

  • Cuide da saúde dos ossos 

A osteoporose afeta 200 milhões de pessoas no mundo, 10 milhões só no Brasil, revela pesquisa intitulada The burden of osteoporosis in four Latin American countries: Brazil, Mexico, Colombia, and Argentina, publicado recentemente na revista científica Journal of Medical Economics.

Para fortalecer os ossos, é fundamental a correta ingestão de vitamina D e de cálcio.  

O sol é responsável por 80 a 90% de toda a vitamina D, mas salmão, atum e sardinha também são ricos em vitamina D. O cálcio é encontrado em queijos, leite e iogurte e, também, em vegetais de cor verde escuro, como brócolis e espinafre.

  • Coma proteínas 

A deficiência de proteínas pode gerar perda muscular, sensação de fraqueza e dificuldade para realizar atividades do dia a dia.  

Você encontra proteínas principalmente em carnes magras, ovos, grão de bico e alimentos lácteos.

  • Mantenha-se hidratado 

Sem a ingestão adequada de água, nada no nosso organismo funciona de maneira correta. A hidratação auxilia todos os processos fisiológicos do nosso organismo. Ela realiza o transporte de nutrientes às células, limpa o corpo das substâncias tóxicas, auxilia na digestão, previne câimbras, protege o coração, melhora o funcionamento do intestino, aumenta a resistência física, regula a temperatura e controla a pressão sanguínea. Beba, diariamente, de 1,5 a 2 litros de água.  

E você, já se preocupa com a sua alimentação e envelhecimento saudável?

Se gostou das dicas, compartilhe com seus amigos e familiares, compartilhar saúde é Vital!!!

/